Valor de 2017 é o mais baixo num período de década e meia

 

O coeficiente de Gini “é um indicador de desigualdade na distribuição do rendimento que visa sintetizar num único valor a assimetria dessa distribuição. Assume valores entre 0 (quando todos os indivíduos têm igual rendimento) e 100 (quando todo o rendimento se concentra num único indivíduo)”.  Essa variação pode também ter como intervalos 0 e 1. Ao contrário dos rácios entre o rendimento dos grupos da parte superior e inferior da distribuição desse recurso, o coeficiente de Gini tem em consideração as diferenças de rendimentos da população no seu conjunto. No entanto, “uma das suas principais características é ser particularmente sensível às assimetrias na parte central da distribuição”. Nesse sentido, está particularmente vocacionado para o estudo das alterações dos rendimentos relativos ocorridas em torno do rendimento médio”, mais concretamente em torno da moda da distribuição (Rodrigues, Figueiras e Junqueira, 2016: 34).

Tal como é possível observar na Figura 1, o valor desta medida de desigualdade decresceu na segunda metade dos anos 2000. Apesar de algumas oscilações verificadas no período da crise económica e financeira, o valor do coeficiente de Gini tendeu a estabilizar entre 2010 e 2015, o que parece indicar “uma forte estabilidade das assimetrias na parte central da distribuição” (idem: 35). Desde 2014 que esta medida de desigualdade tem vindo a diminuir, sendo de assinalar a descida de 2016 para 2017 (cerca de 1,4%, de 33,5 para 32,1%).

 

 

A Figura 2 permite analisar a desigualdade de rendimento, medida pelo Coeficiente de Gini, nos países europeus em 2017 (e nalguns casos, por falta de dados atualizados, em 2016, assinalados com *). Os países de leste, do Báltico e mediterrânicos tendem a ser os que apresentam níveis de desigualdade mais elevados. Portugal é o nono país mais desigual.

 

* – dados para 2016

 

Os valores apresentados dizem respeito à distribuição do rendimento disponível (depois do pagamento de  impostos e das contribuições para a segurança social, e de recebidas as transferências sociais) por adulto equivalente. O rendimento equivalente é “obtido pela divisão do rendimento de cada agregado pela sua dimensão em termos de ‘adultos equivalentes’, utilizando a escala de equivalência modificada da OCDE.” O conceito de “adulto equivalente” é uma unidade de medida da dimensão dos agregados que resulta da aplicação da escala modificada da OCDE”. Esta escala “atribui um peso de 1 ao primeiro adulto de um agregado; 0,5 aos restantes adultos e 0,3 a cada criança dentro do agregado. A utilização desta escala permite ter em conta as diferenças na dimensão e composição dos agregados” (INE, 2017).

 

Referências bibliográficas:

INE (2017), “Rendimento e condições de vida – O risco de pobreza reduziu-se para 18,3%”, INE.

Rodrigues, Carlos Farinha (Coord.), Rita Figueiras, e Vítor Junqueira (2016), Desigualdade do Rendimento e Pobreza em Portugal, Lisboa, FFMS.

 

Atualizado por Inês Tavares

Ver dados Excel
image_print