A distribuição da população segundo o regime de ocupação dos alojamentos familiares faz sobressair a importância da propriedade em Portugal relativamente à média da UE28 (74,5% e 69,3%, respetivamente).

 

Na análise da distribuição do parque habitacional segundo o regime de ocupação, distinguem-se habitualmente os seguintes regimes: a propriedade (com e sem encargos relativos à aquisição do alojamento), o arrendamento (a preços de mercado ou a preços abaixo do mercado) e a cedência gratuita.

A Figura 1 faz sobressair a importância da propriedade em Portugal, em 2018 (74,5%). O arrendamento e a cedência gratuita constituem assim o regime de ocupação de 25,5% da população residente. Entre os proprietários, são semelhantes as percentagens entre os que têm encargos com a aquisição da habitação e os que não têm (38,2% e 36,3%, respetivamente). Entre os arrendatários, 12,6% pagam rendas a preços de mercado, estando os restantes 12,9% distribuídos entre o arrendamento a preço abaixo do mercado e a cedência gratuita.

 

 

Em resultado dos diferentes sistemas residenciais europeus e das políticas de habitação nacionais, a distribuição da população por regime de ocupação do alojamento é bastante heterogénea. Como se pode observar na Figura 2, em 2018, a Suíça é o país na UE28 onde a proporção de arrendatários é mais elevada (57,5%), seguida da Alemanha (48,5%) e da Áustria (44,6%). A maior proporção de proprietários verifica-se na Roménia (96,4%), na Croácia e na Eslováquia (90,1% em ambos). Em Portugal, em 2018, cerca de 74,5% da população vive num alojamento ocupado em propriedade, um valor superior à média da UE28 (69,3%).

 

 

As Figuras 3 e 4 dizem respeito à distribuição da população residente em Portugal segundo o regime de ocupação dos alojamentos familiares (propriedade e arrendamento, respetivamente), por composição do agregado familiar.

Embora a diferença seja subtil, tanto em Portugal como na UE28 denota-se uma correspondência entre agregados com crianças dependentes e a propriedade e entre agregados sem crianças dependentes e o arrendamento.

É de notar que no universo dos proprietários os agregados menos representados são os constituídos por um adulto com crianças dependentes, dois adultos com três ou mais crianças dependentes e um adulto só. Entre os arrendatários, os agregados menos representados são os constituídos por dois adultos com três ou mais crianças, um adulto com crianças dependentes e dois adultos com duas crianças.

 


 

Elaborado por Inês Tavares e Alda Botelho Azevedo

Ver dados Excel
image_print